Ração diária de nervos - TGI Consultoria

Ração diária de nervos

O dia a dia de trabalho é muito exigente, sobretudo para aqueles que têm responsabilidade gerencial. Requer paciência, perseverança, obstinação. E tudo isso consome, como precisamente registrado na poesia do escritor recifense Paulo Gustavo, uma “ração diária de nervos / que jamais voltarão a ser tranqüilos”.
Ainda que tentemos nos precaver, não conseguimos escapar desse destino, por mais zen que tenhamos aprendido a ser. Em contrapartida, temos a compensação dos resultados conseguidos com o trabalho, a força que podemos extrair de coisas simples e a certeza de que a energia para continuar vem do nosso próprio “gerador” interno.


   

   

A vida é dura: pedra, ferro, lâmina
Ração diária de nervos
Que jamais voltarão a ser tranqüilos.
Mas há os filhos
E seus sorrisos e suas graças
E o gesto que a máquina fotográfica
Limpa de qualquer impureza.
E há o beijo da mulher amada
E sua mão tão sábia
Abotoando o botão que falta.
E há os domingos
Pintados de azul pelos amigos
E há qualquer coisa de repente
Que não deixa o teto cair
Nem a fita se confundir
  Na memória gasta
Pelos motores do mundo.
De súbito se descobre
Esta coisa simples e única:
Que lá no fundo de nossas almas
Sempre existe um resto de música. 

(Poema de Paulo Gustavo, no livro “A Redenção do Acaso”, edição do autor, Recife, 1984).  


Para os nordestinos, nessa época de São João, são muitos os “restos de música” reais que ajudam a ativar o gerador interno da energia que nos faz ir em frente. Por isso, vale a pena deixar que a simplicidade e até a ingenuidade da música (mesmo quando se pretende “maliciosa” ela não deixa de ser ingênua) e dos festejos da época contribuam, recarregando as baterias para as próximas jornadas e compensando as “rações diárias” futuras.         

Leia no caderno Oportunidades, todo domingo no Jornal do Commercio, a coluna Desafio 21. O que há de mais atual sobre Gestão & Competitividade está lá. Uma produção conjunta da Rede Gestão e da JCR & Calado, com criação gráfica da Aporte. As colunas já publicadas podem ser encontradas no site www.redegestao.com.br.