A estabilização estressada - TGI Consultoria

A estabilização estressada

Após o fechamento dos termos do novo acordo do Brasil com o FMI (ainda a ser referendado pelo conselho do Fundo), depois que a desvalorização do real tornou obsoleto o acerto anterior, ficaram mais evidentes os contornos do cenário com o qual o governo vem trabalhando para tirar o país do buraco macroeconômico em que foi jogado pela teimosia em esticar, muito além da conta, uma política econômica que deveria ter sido temporária.
O presidente Fernando Henrique, chegado a frases de efeito e metáforas, nem sempre muito felizes, disse recentemente que, até o final do ano, o país estará “caminhando sobre o gelo.” Vai precisar de muita cautela e boa dose de sorte para não escorregar. Trata-se da “aposta” na materialização do cenário que, em suas linhas básicas coincide com o da Estabilização Estressada, com o qual o Conjuntura & Tendências (ver números 207, 208, 211 e 212, no site www.tgi.com.br) vem trabalhando na categoria de mais provável, se não ocorrerem maiores surpresas.
A expectativa de governo é que a economia, no transcorrer do ano, tenha o seguinte desempenho, em termos de crescimento de PIB.
 
O “fundo do poço” seria, portanto, no 2º semestre, o ponto máximo da queda do PIB. A partir daí, a economia começaria a se recuperar para fechar o ano com um crescimento de 5% no 4º trimestre em relação ao anterior. Em dezembro, a economia estaria reaquecida, o dólar a R$ 1,70, a inflação em torno de 0,5% ao mês, as reservas em US$ 23 bilhões (sem considerar o dinheiro liberado pelo FMI), e os juros voltariam aos níveis pré-crise da Rússia (20% reais, descontada a inflação).
Existe uma certa dose de otimismo nos contornos traçados pelo governo, mas a tendência apontada guarda coerência com a lógica do cenário mais provável: recuperação no final do ano. Até lá, pelo menos seis meses de sufoco, com inflação alta (10% acumulada no 1º semestre pela previsão do governo), desemprego ascendente e juros altos. Todos, componentes geradores de muito estresse.

Ano 6
Com a presente edição (213), o Conjuntura & Tendências entra no seu sexto ano de vida, a partir de 09.01.95 com circulação semanal. Hoje, o C&T conta, além do meio fax, com uma versão Web e com a remessa via e-mail (os interessados nesta nova forma de recebimento podem solicitá-la pelo site www.tgi.com.br, onde também terão acesso à versão Web). A TGI Consultoria em Gestão sente-se orgulhosa da atenção que tem recebido dos leitores nesses anos do C&T e compromete-se a continuar fazendo todos os esforços necessários à elaboração de um informativo ágil e comprometido com o aperfeiçoamento da moderna gestão empresarial.