Ir além do medo enegociar algo novo - TGI Consultoria

Ir além do medo enegociar algo novo

 
O ex-presidente norte-americano Richard Nixon é autor de uma frase em que mistura ironia com realismo ao caracterizar o que faz com que as notícias assumam as manchetes dos veículos de comunicação:

“Sair na primeira página ou na página 30, depende do medo que eles têm de você.”

Richard Nixon, 1913-1994

No que diz respeito ao atual estado de ânimo decorrente dos desdobramentos do ataque terrorista de 11 de setembro aos EUA e da conseqüente ofensiva norte-americana no Afeganistão, essa frase é tristemente verdadeira. E quem não sai da primeira página é o terrorismo, agora protagonizando a ameaça terrível dos atentados biológicos.
A suspeita de que foi lançada uma nova ofensiva terrorista por via postal, com cartas contendo a mortífera bactéria antraz para várias empresas de comunicação e até uma filial da Microsoft nos EUA, confere à realidade contornos de filme de ficção científica e dissemina o medo (que já começa a assumir proporção de pânico) de uma escalada de conseqüências imprevisíveis.
É uma escalada dessa natureza, misturando medo, raiva e pânico, o pior cenário que se pode querer. Nessas horas avultam os donos da verdade com suas certezas e ameaças apocalípticas.

“Não tenho medo da verdade. Tenho medo dos que a encontram.”

Andre Gide, 1869-1951, escritor francês

Há uma tentativa flagrante, impulsionada pelo fanatismo, de satanizar e generalizar o conflito (“a civilização ocidental contra o islã”). Tratam-se de falsas verdades que precisam ser exorcizadas.
A situação é muito delicada e simplificações maniqueístas não ajudarão a encaminhar soluções para ela. Em coluna para a BBC Brasil de 11.10.2001 (www.bbc.co.uk), o jornalista Lucas Mendes entrevista o professor Benjamin Barber, autor de vários livros sobre o tema, que foi taxativo:

“Não previ a destruição das torres, mas previ que a jihad usaria novos métodos e novas tecnologias para nos atacar. Ninguém vai sair vencendo desta guerra. Vamos prender e destruir redes de terroristas mas é impossível sufocar todo o movimento (…) se não houver mudança, vamos viver de fato em estado de guerra permanente.”

Benjamim Barber, escritor norte-americano

As mudanças indispensáveis de que fala o professor são a busca  do estabelecimento de uma nova ordem internacional, com o combate aos desequilíbrios econômicos e a arbitragem efetiva dos conflitos regionais, impulsionados pela ação ativa dos países desenvolvidos e da ONU. Não dá mais para querer não se envolver, o custo é muito alto. Talvez a ameaça atual ajude a acelerar essa mudança de posição.

“O medo une mais os homens do que a coragem.”

Carlos Drummond de Andrade

A concessão do prêmio Nobel da paz para o secretário geral Kofi Annan e para a ONU é uma excelente oportunidade para o avanço na direção dessas mudanças indispensáveis. Já é chegada a hora de uma grande negociação que vá além do medo e não seja paralisada por ele, como bem disse outro ex-presidente dos EUA:

“Nunca negociemos sem medo. Mas nunca tenhamos medo de negociar.”

John F. Kennedy, 1917-1963

Fora disso, de uma grande ofensiva diplomática dos países desenvolvidos, paralela às necessárias ações de desbaratamento das redes terroristas, o que resta é o imprevisível das ações que estamos presenciando.